Sucuri 7 metros ‘mostra língua’ ao ser flagrada por documentarista da natureza em águas cristalinas de MS

    0
    534

    Flagrante feito pelo documentarista e fotógrafo da vida selvagem, Cristian Dimitrius, foi feito em um rio de água cristalina de Bonito.

    POR RADIO ESPERANÇA BRASIL 11:00 HORAS

    Uma sucuri gigante de aproximadamente 6 metros de comprimento, “mostrou língua” ao ser flagrada por um documentarista de natureza, em um rio de água cristalina, em Bonito, município que conquistou por 16 vezes o título de “Melhor Destino de Ecoturismo” do Brasil. (Assista o vídeo).

    O flagrante feito pelo documentarista e também fotógrafo mineiro, Cristian Demétrius, foi no último sábado (28) e teve o apoio de Juca Igarapé, um expert quando se trata em localizar o animal, o profissional com especialidade em registrar a vida selvagem, também explicou que no local na qual escolheu para mergulhar, é um ponto ideal com uma grande previsibilidade para encontrar as sucuris.

    “Eu mergulho em Bonito desde de 2007. Quando a gente cai na água e vê o bicho, não sabemos como ele vai se comportar. Geralmente ele foge, mas este flagrante, a sucuri decidiu entrar debaixo de uma galhada e por ali ficou pendurada”, relembra.

    Cristian tem 46 anos e viajou em torno de 60 países documentando a vida selvagem na qual iniciou a carreira fotografando debaixo d’água: “hoje eu faço qualquer ambiente natural: gelado, água, rio, mar, terra. Tendo bicho envolvido estou dentro”, explicou.

    Cristian conta que no momento que conseguiu fazer o flagrante na qual a cobra “encara” a câmera, seria justamente porque o animal não tem uma visão boa e por isso utiliza a língua para sentir o ambiente:

    Conforme o documentarista, a sucuri, que se tratava de uma fêmea, estava com os olhos roxos e a explicação para o tom da cor, seria a troca de pele:

    “Quando ela está nesse processo, até a pele que cobre os olhos vão juntos – por isso a coloração. Então a pele começa e se descolar e neste caso, a sucuri estava usando os galhos para criar um atrito para a retirada da pele antiga”, explicou.

    Ainda de acordo Demétrius, a posição na qual o animal estava, proporcionou um registro fantástico: “Estava tudo combinando e perfeito para conseguir a imagem. Ela [sucuri] estava parada e enrolada no nos galhos – olhando de frente para câmera”, conta.

    Conforme o documentarista, a sucuri, que se tratava de uma fêmea, estava com os olhos roxos e a explicação para o tom da cor, seria a troca de pele: O profissional ainda ressalta que quanto aos flagrantes, sua missão de vida é fazer com que as pessoas se apaixonem pelo “nosso” planeta, através de suas imagens, criando assim um desejo maior para a conservação e o conhecimento, finalizou

    DEIXE SEU COMENTÁRIO

    Enviar comentário!
    Digite seu nome completo