STF responde Bolsonaro com revogação da prisão de blogueiro

    0
    294

    De acordo com o ex-senador da República, Magno Malta, o blogueiro e apoiador do presidente Bolsonaro, Oswaldo Eustáquio teve sua prisão revogada pelo STF

    10/09/2021 14h01
    Por Guilherme Gomes

    Após o presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) divulgar a carta à nação, em tom apaziguador com o Supremo Tribunal Federal (STF), integrantes da base aliada do governo se decepcionaram com a postura do chefe do executivo. Contudo, a ação do presidente rendeu também alguns recuos da Suprema Corte.

    De acordo com o ex-senador da República, Magno Malta, o blogueiro e apoiador do presidente Bolsonaro, Oswaldo Eustáquio teve sua prisão revogada pelo STF. A informação, que ainda é nova, foi compartilhada na rede social do ex-parlamentar.

    Nas próximas horas, o ministro Alexandre de Moraes deve avaliar um pedido de habeas corpus ajuizado por deputados federais da base do presidente Bolsonaro e deferir o pedido de Zé Trovão.

    Moraes pediu prisão de blogueiro na quinta (9)

    Moraes determinou, na quinta-feira (9), uma nova ordem de prisão ao blogueiro bolsonarista, que se encontrou no México com o líder caminhoneiro Marcos Antônio, o Zé Trovão.

    O ministro do STF tomou a decisão após Oswaldo participar de uma transmissão ao vivo com Zé Trovão. Na ocasião, ele incitou atos violentos contra a Suprema Corte no dia 7 de setembro. Com isso, o blogueiro passou a ser alvo da investigação que apura os atos antidemocráticos no dia da Independência.

    Avaliações da posição de Bolsonaro

    No dia 7 de setembro, dia da independência do Brasil, apoiadores do presidente mobilizaram manifestações com pautas antidemocráticas. Alguns manifestantes reivindicavam a saída dos ministros do STF e pediam intervenção militar com Bolsonaro no poder.

    Durante o ato, Bolsonaro discursou para a multidão em Brasília e São Paulo. Diante de seus apoiadores, o presidente criou mais tensão entre os poderes com palavras desafiadoras para a Suprema Corte e seus ministros.

    DEIXE SEU COMENTÁRIO

    Enviar comentário!
    Digite seu nome completo