Morre o motorista de ônibus que teve 80% do corpo queimado ao ser atacado em terminal de Anápolis

    0
    425

    Walisson Barbosa dos Santos, de 35 anos, ficou internado por 11 dias em hospital de Goiânia. Suspeita alegou ter ateado fogo no homem após ele zombar do mau hálito dela, segundo delegada.

    Por raimundo Lirà

    Setembro 12, 2021 

    Walisson Barbosa dos Santos, em Anápolis, Goiás Arquivo Pessoal/Gislaine Maria dos Santos
    O motorista que teve o corpo incendiado dentro de um ônibus em Anápolis, a 55 km de Goiânia, morreu na manhã deste domingo (12), na capital. Segundo a família, Walisson Barbosa dos Santos, de 35 anos, teve três paradas cardíacas durante a madrugada e estava com um alto grau de infecção. Uma mulher foi presa suspeita de atear fogo na vítima. O caso aconteceu no último dia 1º de setembro.

    Câmeras de segurança registraram quando, a mulher se aproxima do ônibus, que estava parado dentro do terminal. Em seguida, ela joga etanol na cabine e coloca fogo. Depois, há uma explosão e o motorista fica com o corpo em chamas. O vídeo mostra o desespero de passageiros (veja abaixo).
    VÍDEO: Mulher é presa suspeita de atear fogo a motorista de ônibus em Anápolis
    Walisson teve cerca de 80% do corpo queimado e estava internado no Hospital Estadual de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol).

    O corpo foi encaminhado para o Instituto Médico Legal de Goiânia (IML) na manhã deste domingo.
    A irmã, Gislaine Maria dos Santos, conta que a família está abalada e todos esperam Justiça pelo irmão.
    “Não era essa a notícia que queríamos dar, infelizmente. Esperamos Justiça pelo meu irmão”, pontuou.
    Irmã diz que motorista queimado não conhecia mulher que o incendiou
    Suspeita de por fogo em motorista de ônibus é contida por populares até chegada da polícia em Anápolis, Goiás Investigação

    Segundo a Polícia Civil, em depoimento, a suspeita disse que tomou a atitude porque era zombada por funcionários da empresa de transporte público pelo fato de ela ter mau hálito.
    Conforme a delegada responsável pelo caso, Cynthia Cristiane, ela alegou que funcionários sempre cobriam o nariz quando ela passava pelo terminal e, quando ocorreu o crime, Walisson Barbosa teria repetido o gesto na frente dela.
    “Ela foi até um posto de combustíveis, comprou etanol e ateou fogo contra a vítima. Ontem esse motorista teria feito gesto de tampar o nariz”, explicou a delegada.

    DEIXE SEU COMENTÁRIO

    Enviar comentário!
    Digite seu nome completo